Alimentos para anemia: os melhores para evitar esse problema

5 minutos para ler

Quando o assunto é anemia, muitas pessoas acham que trata-se de uma única doença. Na verdade, estamos lidando com um grupo de síndromes anêmicas que apresentam diferentes causas. Então, quais os melhores alimentos para anemia?

Calma, vamos chegar lá! Primeiro, você deve saber que a anemia está relacionada a uma diminuição de hemoglobina no sangue. A hemoglobina, por sua vez, está presente nas hemácias ou glóbulos vermelhos (as células que dão ao sangue sua cor característica).

A responsabilidade da hemoglobina é garantir o transporte de oxigênio para nutrir as mais diversas regiões do corpo. Portanto, quando há anemia esse transporte fica prejudicado e, consequentemente, surgem os sintomas.

Entenda o que é anemia

Bem, você já sabe que a anemia é a diminuição de hemoglobina. Porém, existem as anemias verdadeiras e as relativas. No primeiro caso, há uma diminuição de hemácias, seja por falha na produção ou destruição excessiva.

Já no segundo caso, as anemias relativas retratam apenas uma diluição do sangue, ou seja, a quantidade de hemácias não diminui; é apenas o volume sanguíneo que aumenta pelo excesso de água. O principal exemplo disso é a gravidez.

Porém, vale a pena reforçar sobre as anemias verdadeiras. Elas podem ser carenciais, caso haja carência de ferro (anemia ferropriva), de vitaminas (vitamina B12, ácido fólico), de zinco, e hemolíticas, se as hemácias forem destruídas com maior intensidade que o habitual. Neste último grupo se incluem a anemia falciforme, as talassemias, a anemia cardiotraumática (que surge após algumas cirurgias cardíacas) e as anemias hemolíticas por autoimunidade, além de alguns outros tipos mais raros.

É bom lembrar que as perdas de sangue evoluem para a deficiência do ferro, quando a alimentação não é suficiente para compensar. Isso acontece nas menstruações excessivas, nas hemorragias do tubo digestivo (úlceras, pólipos, hemorroidas) e até nas doações de sangue feitas com muita frequência. Algumas verminoses podem cursar com anemia, como a ancilostomose, que leva à deficiência de ferro.

Saiba quais os sintomas da doença

Lembra que as hemácias têm um papel decisivo em levar oxigênio para as regiões do corpo? Então, um dos sintomas de anemia é o cansaço constante, associado a uma falta de apetite. Quando há carência de ferro, é comum haver unhas e cabelos quebradiços. Pode também surgir a vontade irresistível de mastigar coisas não propriamente nutricionais, como gelo, arroz cru, gravetos, etc.

Outro ponto importante é a palidez da pele. Isso porque são os glóbulos vermelhos que dão cor ao sangue e aos tecidos por ele irrigados. Se os glóbulos vermelhos estão reduzidos, a pessoa tende a ficar menos corada e, assim, mais pálida.

O tratamento vai depender muito de qual é o tipo de anemia. Se for apenas uma carência de ferro – o que é mais comum –, é interessante considerar a suplementação. Mas no caso de anemias hemolíticas, é preciso adotar condutas ainda mais específicas conforme a causa.

Conheça alguns alimentos para anemia

Por último, vamos dar a dica de como montar o cardápio pensando em evitar a anemia! Além de serem ricas em proteínas, as carnes vermelhas também apresentam grande quantidade de ferro. O molho pardo, feito com o sangue da galinha, também contém ferro, bem como os miúdos dessas ave.

Aposte também em alimentos ricos em vitamina C, os quais facilitam a absorção do ferro. Sendo assim, laranja após as refeições é uma boa pedida! Ou o suco, durante a refeição. Ah, muito cuidado com beterraba e espinafre: ambos vão prejudicar a captação de ferro dos alimentos devido ao elevado conteúdo de oxalato.

Os vegetais, de forma geral, são ricos em ácido fólico. Então, coloque-os no seu cardápio; afinal, não é só o ferro que influencia na produção de hemoglobina. Quanto ao feijão, ele não é lá essas coisas para combater a anemia, como correntemente se propaga, pois o ferro de origem vegetal não é bem aproveitado pelo organismo; mas o feijão contém zinco, outro elemento cuja falta pode causar anemia, e assim é bom consumi-lo frequentemente.

Aliás, frutos do mar são também uma boa fonte de zinco.

Viu só como existem excelentes alimentos para prevenir a anemia? Porém, jamais se esqueça: nem sempre anemia será um problema nutricional! Por vezes, pode retratar situações fisiológicas, como no caso de gravidez, anemias congênitas ou anemias associadas a outras doenças — como tumores, doenças crônicas e problemas renais. Por via das dúvidas, acompanhe sempre com médicos e laboratórios de confiança!

Gostou do conteúdo? Compartilhe em suas redes sociais e ajude mais pessoas a se informarem!

Posts relacionados

Deixe um comentário