Causas do hipertireoidismo: você sabe quais são elas?

5 minutos para ler

Você sabe o que é o hipertireoidismo? É uma superatividade da glândula tireoide que provoca a aceleração na produção dos hormônios, como a tri-iodotironina (T3) e a tiroxina (T4). As causas do hipertireoidismo são diversas, sendo a principal delas a doença de Graves.

Esse problema na tireoide (glândula situada na parte inferior do pescoço, abaixo do Pomo de Adão (mais evidente no sexo masculino, conhecido popularmente como “gogó”), pode ocorrer em qualquer idade, porém é mais comum em mulheres na menopausa e no pós-parto. Por afetar a glândula responsável por regular a função de órgãos importantes, como o cérebro, o coração, o fígado e os rins, o tratamento deve ser iniciado sem demora.

Neste artigo vamos explicar os principais sintomas da doença, as suas causas, o diagnóstico, o tratamento e os meios de prevenção. Continue a leitura para saber mais!

Quais são os principais sintomas do hipertireoidismo?

Os principais sintomas do hipertireoidismo refletem a aceleração das funções orgânicas. São eles:

  • alterações na menstruação;
  • alterações oculares, como olhar fixo e olhos saltados;
  • ansiedade e nervosismo;
  • arritmias cardíacas (palpitações);
  • aumento da pressão arterial e da frequência cardíaca;
  • evacuações frequentes;
  • hiperatividade;
  • insônia;
  • perda de peso;
  • sudorese;
  • tremores nas mãos.

Quando o hipertireoidismo é causado pela doença de Graves, há alterações nos olhos: aumento do lacrimejamento, inchaço, irritação e hipersensibilidade à luz. Além disso, podem surgir outros sinais, como olhos saltados (exoftalmia ou proptose) e visão dupla (diplopia).

Quais são as principais causas?

A causa mais comum do hipertireoidismo é uma doença autoimune, conhecida como doença de Graves, como dito, que, na maioria dos casos, leva ao aumento da tireoide. Esse distúrbio faz com que o sistema imunológico produza anticorpos que atacam o próprio organismo. Outras causas podem ser:

  • bócio multinodular (doença de Plummer) — produz hormônios em excesso que provocam o surgimento de muitos nódulos (pequenos caroços), sendo mais comum em idosos;
  • iodo em excesso — pode ocorrer em pessoas que se tratam com determinados expectorantes;
  • medicamentos de contraste — por conterem iodo e serem administrados para alguns exames de imagem;
  • medicamentos para o tratamento do hipotireoidismo em dose excessiva;
  • nódulo tóxico individual;
  • Tireoidite de Hashimoto, na fase inicial — doença autoimune e crônica da tireoide;
  • tratamento com iodo radioativo.

Como é realizado o diagnóstico do hipertireoidismo?

Normalmente o médico faz uma primeira avaliação com base nos sintomas relatados pelo paciente e na apalpação da região da tireoide para analisar a presença de nódulos. Contudo, a confirmação do diagnóstico é feita com base em exames de sangue, conforme a dosagem dos hormônios tireoidianos (T3 e T4) e do hormônio da hipófise que regula a tireoide, o TSH.

Em casos de suspeita de um nódulo tireoidiano, é realizado um exame de imagem da tireoide. Além disso, é possível o médico solicitar o exame de PAAF (Punção Aspirativa por Agulha Fina) para retirar células e fazer uma biópsia.

Como o tratamento é realizado?

Após o diagnóstico, o endocrinologista considera as causas da disfunção, a idade e o estado geral da saúde do paciente para a definição do tratamento, que pode ser feito por meio de medicamentos à base de hormônios. O médico também solicita exames de sangue para controle dos níveis dos hormônios e outros componentes relacionados à tireoide. Além desses medicamentos, outros tratamentos podem incluir:

  • extração cirúrgica (tireoidectomia) — a retirada de parte ou da totalidade da tireoide, sendo um tratamento utilizado em jovens e também uma opção para pessoas com um bócio muito grande e que são alérgicas aos medicamentos;
  • iodo — para pessoas que demandam urgência;
  • iodo radioativo — utilizado para destruir parte das células da tireoide,

Como se prevenir dessa doença?

A melhor forma de prevenir-se é mantendo uma alimentação equilibrada, com a ingestão adequada de iodo, já que esse é um fator preponderante para a formação dos hormônios T3 e T4. Para isso, é preciso consumir 150 microgramas do mineral diariamente, a fim de suprir as necessidades diárias do organismo. Ele pode ser encontrado facilmente no sal de cozinha, em frutos do mar e em peixes, como o salmão, a cavala, o bacalhau e a pescada.

Como vimos, as causas do hipertireoidismo são diversas e a doença precisa ser tratada com urgência. Por isso, aos primeiros sinais, é fundamental a busca por ajuda médica para uma avaliação e exames laboratoriais. A especialidade médica relacionada às glândulas, como a tireoide, é a endocrinologia.

Este artigo foi útil? Deixe um comentário e compartilhe as suas experiências e dúvidas conosco!

Posts relacionados

Deixe um comentário