Conheça 5 principais doenças de pele e como tratá-las

5 minutos para ler

As doenças de pele podem impactar drasticamente a vida das pessoas, causando dor, deformidades, impactos psicológicos e muito desconforto. Por isso, é fundamental ficar atento a elas e buscar ajuda profissional logo aos primeiros sinais.

Os problemas dermatológicos podem ocorrer devido à falta de vitaminas, reação a alimentos, e a medicamentos. No entanto, as principais doenças ocorrem, principalmente, pelo fato de a pele ser um órgão que fica exposto às intempéries, vírus, bactérias, fungos e elementos irritantes.

Veja, a seguir, as principais doenças que podem surgir, bem como suas características, causas, sintomas e formas de tratamento!

1. Melasma

O melasma é caracterizado por manchas escuras, em tom castanho, principalmente no rosto. Mas elas também podem surgir nos braços e colo. Afeta mais as mulheres, e se relaciona ao uso de anticoncepcionais, alterações hormonais na gestação, exposição solar e predisposição genética.

Embora sejam benignas, as manchas escuras geram insatisfação, já que podem alterar de maneira significativa a aparência da pele. Para evitar o problema, é necessário manter os níveis hormonais equilibrados, utilizar filtro solar e acessórios de proteção, como chapéu, boné, viseira, ou outros. Em geral o tratamento é feito com cremes clareadores, conforme orientação médica.

2. Acne

A acne é um problema de pele muito comum, principalmente na adolescência, devido às alterações hormonais, podendo ocorrer também em mulheres adultas após os 25 anos. Em geral ajustes na alimentação, remédios tópicos e melhoria nos hábitos de higiene são suficientes para o controle do problema.

Nos casos mais graves a acne pode provocar dor, afetar o aspecto emocional e comprometer os relacionamentos sociais da pessoa acometida. Para esses casos são utilizados medicamentos por via oral, e por vezes até antibióticos.

3. Urticária

A urticária pode ser desencadeada por diversos fatores, que incluem baixas temperaturas, alergias e exercícios físicos. Suas principais características e sintomas são vermelhidão, inchaço, ardência e muita coceira. Apesar dos vergões se extinguirem em um período de 24 horas, a crise pode persistir por semanas, desaparecendo e retornando.

A doença também pode causar dificuldade na respiração, dores de estômago, aperto na região do peito e garganta, bem como inchaço nos lábios e na língua. O tratamento é instituído de acordo com o seu tipo (aguda ou crônica) e estado em que se apresenta.

4. Dermatite

Dermatite é a denominação utilizada para identificar qualquer tipo de inflamação na pele, inclusive do couro cabeludo. Os três tipos mais comuns são:

  • dermatite atópica — em geral, começa sem motivo aparente e normalmente se relaciona a crises de asma e rinite. O tratamento é feito com cremes e remédios para o controle da inflamação, além de medidas gerais;
  • dermatite de contato — irritação que surge após a exposição a alguma substância ou tecido, que provoca vermelhidão, ardência, descamação, podendo formar bolhas. Em geral, é feito tratamento tópico;
  • dermatite seborreica — é a caspa comum que, em geral, provoca descamação no couro cabeludo e nas sobrancelhas. Para os casos mais simples, a utilização de xampu específico resolve o problema, porém muitas vezes o dermatologista deve ser procurado.

As dermatites não são contagiosas. Para evitar que se agravem é importante manter a pele bem hidratada com produtos indicados pelo médico. Também é fundamental hidratar o organismo com boa ingestão de líquidos, e optar por banhos mornos.

5. Rosácea

Frequentemente a rosácea é confundida com doenças de pele provocadas pelo sol, devido à vermelhidão que surge em várias regiões do rosto e lesões que podem evoluir para inchaço, acne e ressecamento, tornando muito sensível a pele afetada. Algumas pessoas também sentem secura ocular quando apresentam esse problema. Suas principais causas são:

  • alimentos e bebidas quentes;
  • alterações gastrointestinais;
  • bebida alcoólica;
  • exposição a temperaturas extremas;
  • hipertensão;
  • medicamentos corticosteroides;
  • sentimentos intensos (vergonha, raiva e estresse que tendem a provocar rubor).

É possível reduzir os efeitos da rosácea eliminando os fatores que provocam a dilatação dos vasos sanguíneos na face e se distanciando de situações que geram ansiedade. Para os casos mais graves, pode ser necessário o uso de medicamentos tópicos que controlam a vermelhidão.

Como vimos, as doenças de pele podem surgir em diferentes fases da vida e se apresentarem de diversas formas. Por isso, é fundamental buscar ajuda profissional para identificar o tipo de doença por meio de exames laboratoriais e, assim, obter um tratamento eficaz.

Gostou deste artigo? Saiba mais sobre problemas de pele lendo outro conteúdo que publicamos e entenda o que pode ser a perda de cabelo!

Posts relacionados

Deixe um comentário