A creatinina e a saúde dos seus rins: tudo o que você precisa saber sobre esse importante exame

8 minutos para ler

Os rins são órgãos do sistema urinário que, dentre outras funções, têm o papel de controlar a concentração de substâncias em nosso sangue. Eles são responsáveis por realizar a excreção de diversos componentes inúteis do corpo, fazendo assim uma certa “limpeza”, e além disso eliminam algumas substâncias que se encontrem em níveis elevados no sangue, para que não causem transtornos ao organismo.

Por isso, garantir a saúde dos rins é fundamental, já que são eles que filtram nosso sangue retendo o que deve ser retido e eliminando o que deve ser eliminado. Nesse sentido, uma das formas de perceber como está o funcionamento desses filtros é verificar o nível de creatinina no sangue. Com o objetivo de explicar como funciona esse exame e o que ele pode significar para a sua saúde, elaboramos o texto a seguir. Ficou interessado? Acompanhe!

Como os rins funcionam?

Os rins são órgãos que ajudam a controlar a concentração de várias substâncias em nosso corpo, inclusive a de sais nas células e nos tecidos. Quando determinada substância é produzida em excesso durante o metabolismo celular, nossos rins eliminam essa quantidade excessiva.

Essa retirada se dá por meio da urina, que é formada justamente por aqueles produtos do metabolismo e demais substâncias que estão em excesso em nosso organismo. Em outras palavras, a formação da urina ocorre a partir da filtragem do sangue, que é realizada pelos rins, em estruturas chamadas glomérulos. É por meio dela que é posto para fora o excesso de substâncias desnecessárias do corpo, o “lixo” que não pode ser aproveitado pelo metabolismo.

Por que a creatinina é um bom indicador da saúde dos rins?

A creatinina é um composto que surge a partir do metabolismo de uma substância chamada creatina-fosfato (ou fosfato de creatina). Ela é produzida em nosso fígado, rins e pâncreas e serve como reserva energética. Essa reserva é utilizada, principalmente, na contração muscular. Quando ocorre essa contração, a atividade gera o metabolismo da creatina fosfato e dá origem à creatinina. Já que ela, a creatinina gerada pela contração muscular, não é utilizada pelo organismo, então precisa ser eliminada pelos rins e excretada na urina.

Bem: vamos esclarecer duas coisas antes de continuar a explicação. Em primeiro lugar, a creatinina não é uma substância tóxica (ela apenas servirá de indicador, pois se não for eliminada, outras substâncias também não o serão); em segundo lugar, a produção de creatinina nada tem a ver com os rins, sendo apenas um resíduo da atividade muscular, mas mas no fato de ser eliminada pela urina está sua utilidade como indicador de doenças renais.

Dessa forma, examinar o nível de creatinina no sangue é uma excelente forma de perceber se o funcionamento dos rins está se realizando corretamente. Caso o nível de creatinina no sangue esteja muito alto, isso pode significar que a saúde dos rins não está boa, e que eles não estão realizando sua função de filtragem de maneira correta, pois se o estivessem, a maior parte da creatinina seria eliminada na urina. Ou seja, um nível alto de creatinina no sangue pode ser um indicador de doenças renais.

Como é feito o exame para constatar o nível de creatinina?

Para se verificar a concentração de creatinina no sangue, não há necessidade de jejum ou qualquer outro preparo. 

É realizada uma coleta de sangue da veia (em geral na dobra do cotovelo por ser mais simples, mas pode ser qualquer amostra de sangue). Esse procedimento é rápido. Ao fim da coleta o local é coberto com algodão, e em seguida é aplicado um curativo adesivo para evitar sangramento.

A amostra de sangue é fracionada para separação do soro (a parte líquida, excluídas as células), o qual é posto em contato com substâncias químicas que levarão ao desenvolvimento de uma cor, que quanto mais fraca ou mais intensa for, significará menor ou maior quantidade de creatinina que a existente em uma amostra padronizada posta para comparação. Essa reação química se realiza em equipamento automatizado com rigorosos sistemas de controle de qualidade.

O que os resultados podem significar?

O resultado do exame é em geral disponibilizado em 24 horas como rotina (ou em alguns minutos, em caso de exames realizados em hospital ou em pronto-socorro), trazendo os valores da concentração desse composto no sangue. É importante notar que os valores referenciais podem ser diferentes de acordo com cada pessoa, variando em função de sexo, idade, massa muscular, e até com o uso constante de medicamentos. Aliás, é bom ressaltar que o uso de certos remédios pode interferir no exame, como a dipirona (analgésico/antitérmico) e a cefalotina (antibiótico), que levam a valores menores que os reais; por isso o médico deve ser informado do uso de qualquer medicamento, mesmo “natural”, para analisar o resultado do exame

Além disso, em vários serviços, como o Laboratório PAT, o laudo contém também o Ritmo de Filtração Glomerular Estimado (pela fórmula CKD-EPI, que se mostra muito prática), o que facilita a análise pelo médico. 

Bem: vamos entender o que acaba de ser dito. A verificação do nível sanguíneo de creatinina é um indicador da filtração do sangue pelos glomérulos (estruturas filtrantes) renais. Porém para saber melhor como está o estado desses filtros, é preciso conhecer o ritmo em que a filtração é feita. Há várias maneiras, sendo a mais conhecida a determinação da depuração da creatinina endógena (também conhecida como clearance da creatinina). Para verificar isso é preciso coletar sangue e urina, sendo que esta última deve corresponder a todo o volume obtido em um período de 12 ou de 24 horas, o que é um tanto incômodo, e até um pouco difícil para algumas pessoas porque não se pode perder nada da quantidade total. Por isso foram desenvolvidas fórmulas para simplificarem essa avaliação em casos de triagem populacional, sendo algumas mais adequadas para certos tipos de indivíduos, como crianças. Há ainda as variações por etnia, com o desenvolvimento de cálculos para afro-americanos, orientais, e outros. 

Quando o nível está acima da faixa referencial, é possível que haja obstrução do trato urinário, infecção nos rins, insuficiência renal, desidratação, lesão muscular grave e, no caso de mulheres, problemas durante a gravidez, como pré-eclâmpsia. Já no caso de níveis abaixo do habitual, os resultados podem significar desnutrição, perda muscular ou doenças como distrofia muscular e miastenia gravis.

Quando os resultados anormais não são um problema?

Vale notar que algumas práticas e estilos de vida podem interferir no teste, principalmente no caso de atletas. Geralmente essas pessoas utilizam suplementação muscular com base em creatina, a substância que ao ser metabolizada dá origem à creatinina. Nesses casos, é natural que os níveis de creatinina fiquem acima do habitual. Também no caso de esportistas, quando há elevado índice de massa muscular, a alteração acima do normal é bastante comum.

Outra possibilidade de alteração natural se dá em pessoas com idade avançada. Para idosos, a tendência é que apresentem baixos índices de creatinina. Isso porque, com o tempo, o índice de massa muscular é reduzido naturalmente. Em função disso, o nível de produção de creatinina também é reduzido. Portanto, o encontro de valores mais baixos no exame de pessoas da terceira idade é algo normal. Deve-se ressaltar que é necessário o acompanhamento médico adequado para identificar as características de cada caso, a fim de serem instituídas as condutas adequadas.

Saber como está a saúde dos rins é fundamental para garantir uma vida saudável e seu bem-estar. Como você pôde acompanhar ao longo do texto, a avaliação do nível de creatinina é muito útil para perceber como está o funcionamento desses órgãos filtradores. Mas lembre-se: não basta apenas realizar o exame, sendo importante que ele seja realizado em um serviço de alta confiabilidade e os resultados possam ser analisados pelos médicos com precisão, fornecendo a excelência que sua saúde merece!

Você conhecia essas informações sobre a importância da saúde de seus rins e de como o exame de creatinina influencia nessa percepção? Quer saber mais sobre esse procedimento e como realizá-lo corretamente? Então, entre em contato conosco!

Posts relacionados

3 thoughts on “A creatinina e a saúde dos seus rins: tudo o que você precisa saber sobre esse importante exame

  1. Sou médico portador de cistos renais,já tendo sido operado para Marsupialuzacao de um volumoso.Controlo periodicamente função renal,acho entretanto o Clarence da Creatinina exame desconfortável.

Deixe um comentário