11 exames para homens e por que são indicados

8 minutos para ler

Você conhece a lista de todos os exames indicados para homens? Se a sua resposta for “sim”, então tenho que informar que você é uma exceção. Isso mesmo! Enquanto as mulheres desenvolvem a consciência de ir ao médico desde cedo, os homens procuram atendimento apenas quando apresentam sintomas graves.

Em 2017, a PNS (Pesquisa Nacional de Saúde) confirmou que as mulheres brasileiras procuram mais os consultórios médicos que os homens. Essa informação é preocupante, pois, segundo alguns dados do IBGE (2016), os homens vivem 7,1 anos menos que as mulheres. Além da maior exposição à violência, na maioria das vezes são acometidos por doenças circulatórias, câncer e doenças no aparelho digestivo.

O estudo ainda afirma que eles, geralmente, não acham que vão adoecer ou têm medo de descobrir doenças.Por isso, neste artigo, vamos elencar os principais exames que todo homem deve fazer. Confira!

1. Hemograma

O hemograma, ou exame de sangue, é um dos mais solicitados pelos médicos em diferentes fases da vida. Ele indica a quantidade, o tamanho e a atividade dos glóbulos vermelhos (hemácias), dos glóbulos brancos (leucócitos) e das plaquetas.

É um exame simples e rápido que sinaliza problemas de saúde como: anemias, infecções, suspeitas de câncer e distúrbios de coagulação. Para este exame não é necessário jejum.

2. Pesquisa de diabetes

Diferentemente do hemograma, a glicemia em jejum é um exame que, obrigatoriamente, precisa que a pessoa esteja sem se alimentar por um período de 8 horas podendo tomar apenas água pura durante esse período. O exame informa o nível de glicose no sangue, auxiliando no diagnóstico de pré-diabetes e do diabetes — uma das principais doenças que acometem e matam homens no Brasil.

Mas há um exame que tem o mesmo objetivo, do qual se pode lançar mão para a triagem do diabetes e do pré-diabetes e que não precisa de jejum ou outro preparo: a determinação da Hemoglobina Glicada. É muito útil para o rastreamento até mesmo por não precisar jejum, podendo o sangue ser coletado em qualquer momento. Também se usa a determinação da hemoglobina glicada para controle do tratamento em diabéticos.

3. Colesterol e triglicerídios (perfil lipídico, ou lipidograma)

Esses exames revelam os riscos para o desenvolvimento de doenças cardiovasculares, como: pressão alta, infarto e acidente vascular cerebral (derrame). Nele são apresentados os níveis sanguíneos das frações do colesterol (HDL, LDL,VLDL), e também dos triglicerídeos. Não é necessário o jejum para a análise rotineira, a não ser que o médico faça a recomendação de não se alimentar antes da coleta do sangue.

Vale ressaltar que o exame é indicado principalmente para adultos, mas por vezes também crianças devem passar por essa avaliação quando há sobrepeso ou histórico familiar de colesterol elevado.

4. TGO e TGP (transaminases)

Esse conjunto mede as enzimas do fígado, TGO e TGP, permitindo suspeitar de problemas como a cirrose e hepatite (e, associado a outros exames, câncer). É um exame inespecífico, ou seja, se revelar alguma alteração, esta pode não se dever exatamente a doença do fígado, cabendo ao médico investigar a causa.

5. Testosterona

Naturalmente, aos 40 anos os homens reduzem gradativamente os níveis sanguíneos de testosterona, o hormônio sexual masculino, e isso pode alterar o físico e as emoções do paciente — fenômeno conhecido como andropausa.

Geralmente, a dosagem de testosterona é solicitada pelo médico quando o homem apresenta alguns sintomas:

  • diminuição do desejo sexual;
  • fraqueza muscular;
  • disfunção erétil;
  • cansaço;
  • alterações do humor;
  • obesidade;
  • ginecomastia (crescimento das mamas);
  • depressão.

Ao ser constatada uma redução nos níveis de testosterona, pode ser feita uma reposição hormonal para melhorar a qualidade de vida do homem, mas essa prescrição deve ser feita pelo médico, e nunca por auto-indicação: a administração desse hormônio sem certos cuidados pode levar a efeitos adversos que podem ser graves, afetando principalmente fígado, próstata e testículos.

6. Creatinina e Ureia

São exames úteis para avaliar a função renal antes mesmo que ocorra algum sintoma. Alguns problemas no funcionamento do rins são detectados pela dosagem da creatinina e da ureia, como a insuficiência renal, que é um problema silencioso e pode ser causado pela hipertensão, diabetes e cálculos renais.

7. Exame da urina

O exame avalia tanto os aspectos físicos da urina (como a cor, densidade e pH) quanto os aspectos químicos (pesquisa de proteínas, hemoglobina, glicose e outras substâncias), além de outros componentes visualizados ao microscópio (cristais, microrganismos, e outros). Isso permite a identificação de infecções e doenças renais.

8. Dosagem de PSA

A dosagem de PSA é um exame que analisa a concentração sanguínea de uma proteína chamada antígeno prostático específico. Quando os valores dessa proteína estão altos, isso é indicativo de que há alguma alteração na próstata, como o câncer, crescimento benigno ou inflamação.

Para o grupo de maior risco para o câncer de próstata — homens com ancestralidade africana, obesos ou com parentes de primeiro grau acometidos pelo problema — o exame é mais propriamente indicado, a partir dos 40 anos. Mas, atenção: o PSA, isoladamente, não é tão seguro para tranquilizar o indivíduo se ele se mostrar baixo, ou seja, “normal”: o exame da próstata feito pelo urologista durante a consulta — veja o item seguinte — pode detectar câncer nessas pessoas, mesmo sem elevação da substância.

9. Exame de próstata

Embora o toque retal ainda seja alvo de preconceito, o exame permite a detecção precoce do câncer de próstata. Na verdade, o procedimento é simples, indolor e muito rápido, de forma a minimizar qualquer desconforto. O urologista realiza o exame físico da glândula no intuito de identificar anormalidades.

Vale ressaltar que esse exame não deve ser substituído pela dosagem de PSA, eles são complementares para o diagnóstico do câncer, permitindo assim que seja iniciado um tratamento precoce, menos agressivo, e aumentando as chances de cura.

10. Dosagem de hormônios da tireoide

O hipertireoidismo e o hipotireoidismo são condições que afetam a população masculina em importante fatia da população. O principal exame é a medida do nível sanguíneo do TSH — hormônio tieroestimulante, produzido na hipófise —, por vezes acompanhado da quantificação dos hormônios T3, T4, T4 Livre, e outros indicadores do funcionamento da glândula tireoide.

Mas é preciso prestar atenção no seguinte: diversos remédios, inclusive alguns ditos “naturais”, alteram o funcionamento da tireoide, podendo causar interferências que prejudicam a interpretação dos resultados. Seu médico deve ser informado quanto ao uso de qualquer medicamento.

11. Exames sorológicos para para DSTs

Uma pesquisa, realizada pelo Ministério da Saúde, apontou que 10,3 milhões de brasileiros já apresentaram algum sintoma de doença sexualmente transmissível, como sífilis, HPV, gonorreia e herpes genital. Desse número, o total é de 3,7 milhões de mulheres e 6,6 milhões de homens.

Apesar das sorologias para DSTs não fazerem parte de alguns exames de rotina já mencionados, é necessário que sejam feitas quando ocorrer algum nível de exposição íntima. Os exames indicados são: citomegalovírus, hepatites B e C, sífilis e HIV.

Deve-se lembrar que algumas dessas doenças podem não apresentar os sintomas por meses, ou até por anos. Portanto, esses exames devem ser realizados com frequência ao longo da vida.

Pensar no autocuidado não deveria ser uma regra direcionada para o sexo masculino ou feminino. Deveria ser uma consciência de todos. Os homens ganham destaque neste artigo pois, como mencionado, estão mais expostos aos riscos de violência, acidentes de trânsito e trabalho, além de não se preocuparem com a saúde de maneira geral. Dessa forma, são os que mais morrem. Mas tudo depende do primeiro passo!

Agora que você já conhece a lista dos exames para homens, o que acha de programar o seu? Basta clicar no link a seguir para conhecer o nosso time de especialista: Laboratório PAT. 

Posts relacionados