Precisamos falar sobre exame de sangue: saiba mais sobre o assunto!

5 minutos para ler

A partir da coleta do sangue é possível avaliar uma grande quantidade de parâmetros de saúde, e um laboratório de análises clínicas realiza muitos tipos de exame de sangue.

Eles servem para detectar doenças, monitorar o funcionamento de órgãos e glândulas e medir os níveis de diversos tipos de moléculas, como células, substâncias, nutrientes, proteínas, hormônios, entre outras. Apesar de diversos exames serem realizados a partir de amostras de sangue — colesterol, glicemia, ácido úrico, ureia, sorologias para vários microrganismos (inclusive HIV), PSA, entre outros —, o hemograma é o mais conhecido e solicitado deles.

Neste post, abordamos a importância desse exame e explicamos tudo o que você precisa saber sobre ele. Ficou interessado? Continue a leitura!

O que é hemograma?

É o exame feito no sangue que analisa quantitativa e qualitativamente os três grupos de células sanguíneas: hemácias, leucócitos e plaquetas. Apenas a partir da contagem dessas células e de certos dados referentes a elas, como hemoglobina, hematócrito, volume globular médio, separação dos tipos de leucócitos e outros, é possível relacionar o hemograma com a saúde e identificar doenças e outras alterações.

Para que serve o hemograma?

O hemograma, pela simples análise dos componentes sanguíneos, serve para detectar alterações nas células sanguíneas e, a partir delas, evidenciar doenças como anemia, leucemia, infecções e alergias, e até algumas intoxicações como as que podem ocorrer devido a medicamentos e tóxicos ambientais em locais de trabalho.

Quando ele é indicado?

Sendo um dos exames mais solicitados pelos médicos, o hemograma é indicado rotineiramente como forma de se ter um panorama do quadro de saúde do paciente. Além disso, é pedido para:

  • buscar possíveis causas de sintomas como fadiga, fraqueza, perda de peso e febre;
  • acompanhar tratamentos medicamentosos e com radiação;
  • verificar a saúde do paciente antes de uma cirurgia ou outro procedimento médico;
  • estimar a quantidade de sangue perdida no caso de hemorragia, para decidir sobre o tratamento.

Como é a preparação para esse exame?

O hemograma, especificamente, não requer preparação especial, e a pessoa pode comer e beber normalmente antes da coleta do sangue. No entanto, outros exames de sangue podem necessitar de períodos variados de jejum, como é o caso da glicemia de jejum. Por isso, se outros testes forem realizados a partir da mesma amostra, é preciso verificar a orientação específica para cada um. Em alguns casos o jejum pode atrapalhar o hemograma, e assim por vezes é solicitado que sua realização ocorra após a ingestão de algum alimento.

Quais são as principais doenças detectadas?

Como vimos, a partir da simples alteração nos valores esperados de um elemento sanguíneo — conforme o sexo, a idade, os medicamentos em uso e outros interferentes — é possível detectar ou, pelo menos, levantar suspeitas sobre várias doenças ou estados alterados do organismo. Eis alguns exemplos:

  • anemia;
  • doenças autoimunes, como lúpus eritematoso e artrite reumatoide;
  • hemorragia;
  • insuficiência de medula óssea;
  • doença renal crônica;
  • leucemia;
  • infecções bacterianas;
  • infecções virais;
  • doença do fígado ou baço;
  • alergia;
  • doenças inflamatórias;
  • intoxicação por medicamentos ou outros agentes químicos.

Enquanto as alterações da série vermelha— ou seja, hemácias/hemoglobina/hematócrito — podem evidenciar indícios de anemia e hemorragia, ou mesmo a policitemia (excesso de glóbulos vermelhos), a análise quantitativa de glóbulos brancos (leucócitos) serve para avaliar infecções e inflamações, além de servirem de indícios de alergia, parasitismo e toxicidade química.

Quando os leucócitos se mostram abaixo dos valores esperados, uma condição chamada leucopenia, seu número pode significar depressão da medula óssea ou presença de infecções virais, conforme o tipo cuja quantidade se encontra afetada. Já o aumento dos leucócitos — leucocitose — pode ser sinal de infecção, inflamação, e até, em situações mais raras, leucemia.

Mas é importante dizer que o resultado do hemograma, ainda que pareça normal, deve ser mostrado ao médico que indicou sua realização, pois apenas relacionando os dados presentes no laudo com as informações clínicas (ou seja, o que foi apurado na consulta, inclusive no exame físico) pode-se ter segurança para a conclusão do estado de saúde ou de doença de alguém.

Como vimos, o exame de sangue é simples de ser realizado e tem um amplo resultado que pode trazer inúmeras respostas a respeito da saúde do paciente. Vale lembrar que é importante escolher um serviço especializado para a realização do exame, como o Laboratório PAT.

Quer saber mais sobre o sangue? Clique aqui, e também aqui.

Agora que você já sabe a importância desse exame de sangue, entre em contato conosco e tire suas dúvidas quanto ao preparo para a realização deste e outros testes laboratoriais.

Posts relacionados

Um comentário em “Precisamos falar sobre exame de sangue: saiba mais sobre o assunto!

Deixe um comentário