6 principais sintomas de falta de ferro em que você deve ficar de olho

7 minutos para ler

Ao se tratar de saúde, quando o assunto envolve elementos químicos o pensamento deve ir além da tabela periódica. Muitos deles são essenciais para a composição do nosso organismo, de modo que a deficiência é prejudicial. Por isso, neste artigo, vamos falar sobre os sintomas de falta de ferro.

Nesse caso, lida-se com uma desordem nutricional, ou seja, o aporte de ferro é insuficiente para a demanda. São diversos os mecanismos abarcados pelo problema, que vão desde a ingestão reduzida até problemas com a absorção em si. A repercussão de tudo isso impacta negativamente a vida das pessoas. Além do aspecto biológico, isso pode afetar também os aspectos psicossociais, como o desempenho no trabalho e na própria vida familiar.

Continue a leitura e entenda melhor!

Compreenda a importância do ferro

Continuamente ocorre uma série de reações metabólicas para que o organismo possa desempenhar as suas funções. Por isso, é tão importante a presença do ferro em todas as células, afinal, ele é um componente essencial para grande número dessas reações.

Dessa forma, a baixa quantidade do elemento no organismo prejudica o corpo como um todo. Exemplos disso são uma menor produção de energia e o acometimento do transporte de oxigênio. Assim, a deficiência de ferro pode resultar em uma qualidade de vida prejudicada.

Diante de tamanha importância, capriche na ingestão do mineral. As principais fontes são as carnes vermelhas, e em especial o fígado, mas em menor quantidade o ferro também existe em leguminosas e grãos. Não se esqueça de que a absorção também deve estar adequada: afinal, não adianta haver uma dieta rica, mas existir um problema na captação (como nas pessoas que se submetem a cirurgias bariátricas).

Saiba quais são os sintomas de falta de ferro 

Agora, vamos aos sintomas!

A deficiência de ferro ocorre quando a oferta é menor que a demanda. Como vimos, o motivo para tanto pode estar relacionado à ingestão e também à absorção ou mesmo às perdas excessivas de sangue. Fato é que, se não solucionado, o quadro pode evoluir para uma anemia ferropriva, ou seja, que retrata a privação do ferro. Nesse ponto, os “estoques” do elemento no organismo já terão sido consumidos e os sinais da condição começarão a surgir.

1. Exaustão e cansaço excessivo

Uma das funções do ferro está diretamente relacionada com o transporte de oxigênio. Isso porque ele faz parte da hemoglobina, proteína contida nos glóbulos vermelhos do sangue. É por meio dela que o oxigênio é captado nos pulmões e transportado pela corrente sanguínea para todos os tecidos. Diante da deficiência de ferro, esse transporte é prejudicado e, consequentemente, a concentração de oxigênio nos tecidos é reduzida, com prejuízo para a atividade das células.

Assim, uma das consequências é a diminuição da resistência para esforços. Exaustão e cansaço tornam-se comuns, visto que a pessoa demora um pouco mais para restabelecer as funções cardiorrespiratórias.

2. Palidez da pele

Outro sintoma clássico da anemia ferropriva é a palidez da pele e de mucosas. A identificação do sintoma parece bem simples, afinal, é só perceber que a superfície fica mais descorada que o habitual.

Contudo, nem sempre isso é evidente. Existe uma grande relação entre o grau de palidez e o grau da anemia. Se for discreta, a manifestação também será leve. Por isso, nem sempre a pele é o maior indicativo da condição. Nesses casos, as mucosas podem dar importantes dicas. Por isso, atente à conjuntiva ocular, ou seja, à parte interna da pálpebra inferior, e à língua. A observação do leito das unhas, aplicando-se alguma pressão, também é útil.

3. Inchaço dos tornozelos

Embora seja um sintoma comum em outras doenças, o inchaço dos tornozelos também pode se manifestar na anemia ferropriva. Portanto, se você perceber os tornozelos mais inchados que o habitual, não deixe de relatar isso a um médico.

4. Coração acelerado

A taquicardia é uma condição que retrata o batimento cardíaco acelerado. Em outras palavras, quer dizer que o coração está batendo mais de 100 vezes ao longo de um minuto. Então, coração acelerado e cansaço representam uma combinação comum da anemia.

5. Queda de cabelo

Quanto mais severo vai se tornando o quadro, mais partes do corpo vão sendo acometidas. Como o ferro é importante para a estrutura de alguns componentes corporais, a fraqueza deles pode retratar a deficiência do mineral.

Assim, a queda de cabelo pode, sim, ser provocada por baixos níveis de ferro no organismo. Da mesma forma, unhas quebradiças podem retratar uma anemia ferropriva.

6. Alterações no paladar

Por último, não se esqueça das alterações no paladar. Uma delas é bem básica, mas pode ser o resultado da deficiência de ferro: a falta de apetite.

Já a outra alteração é mais peculiar e bem característica: a alotriofagia ou picacismo. Em outras palavras, significa a perversão do apetite, ou seja, a pessoa sente vontade de mastigar e comer coisas estranhas. Isso pode envolver desde mastigar arroz cru ou gelo, até o que não é propriamente alimento, como clipes de metal, ponta de lápis e gravetos.

Descubra como identificar a falta

Afinal, qual é a quantidade de ferro de que o nosso organismo precisa? Bem, para adultos, o ideal que haja no corpo de 3 g a 5 g do elemento. Porém, isso varia muito de acordo com a idade, e diariamente há perda de ferro pelas fezes e pelas células mortas da pele (estas são removidas pelo banho), e há o aporte feito pelos alimentos, havendo assim um certo balanceamento.

A partir da identificação dos sintomas, é importante também encontrar a causa do problema. De forma geral, já mencionamos algumas delas, mas vamos recapitular:

  • ingestão insuficiente (como na alimentação predominantemente vegetariana);
  • absorção inadequada (o que ocorre em casos de cirurgia com remoção do estômago ou parte dele);
  • perda sanguínea significativa (menstruações excessivas, doações de sangue frequentes, hemorragias do trato digestivo);
  • aumento das necessidades (crescimento e gravidez).

No último caso, sabemos que, durante a gestação e na infância, o nosso organismo requer uma quantidade maior de ferro. Por isso, esses são importantes estágios para se considerar a suplementação do elemento, o que é considerado pelos obstetras e pediatras. No mais, não adianta detectar os sintomas e a causa, mas não quantificar os indicadores do ferro. Por isso, é essencial contar com um laboratório de qualidade, a fim de diagnosticar corretamente a condição e, ainda, manter o acompanhamento.

Para essa missão, o PAT Análises Clínicas pode ser um grande aliado. Com a sua tecnologia, nenhum detalhe vai passar despercebido. Assim, os pacientes poderão contar com uma assistência em saúde de qualidade, afinal, atrás de um bom médico, existe um bom laboratório.

Concluímos, enfim, que os sintomas de falta de ferro podem representar a necessidade de uma intervenção. A primeira delas pode ser no cardápio, ou seja, pode ser preciso passar a ingerir mais alimentos ricos no mineral. Em outros casos, a suplementação se faz necessária — então, nunca deixe de procurar auxílio médico. Por último, conte sempre com um laboratório de qualidade para realizar as análises requeridas para o diagnóstico e o acompanhamento!

Este conteúdo foi útil? Então, não perca tempo e entre em contato com o PAT Análises Clínicas!

Posts relacionados

Deixe um comentário