Conheça os principais sintomas do hipotireoidismo

5 minutos para ler

Os sintomas do hipotireoidismo podem ser notados quando a tireoide apresenta um desequilíbrio e passa a reduzir a produção dos hormônios T3 e T4, fundamentais para o bom funcionamento do organismo. A causa mais comum dessa disfunção se deve a uma doença autoimune denominada Tireoidite de Hashimoto.

Essa alteração provoca uma reação autoimune no organismo que agride a glândula e pode levar à sua destruição lenta e progressiva. Por esse motivo, muitas vezes os sintomas podem passar despercebidos. Além disso, alguns dos sinais mais comuns podem ser confundidos com outras doenças, contribuindo para a demora no diagnóstico.

Neste artigo, comentaremos sobre alguns dos principais sintomas do hipotireoidismo, diagnóstico e a importância de fazer um acompanhamento médico para o controle hormonal. Continue lendo para saber mais!

Principais sintomas do hipotireoidismo

O hipotireoidismo afeta todo o organismo, pois altera o metabolismo corporal, impactando na absorção das vitaminas, minerais e no funcionamento dos órgãos. Veja, a seguir, os principais sintomas que esse desequilíbrio na tireoide provoca.

Cansaço

O cansaço excessivo é um dos sintomas mais comuns do hipotireoidismo, e ocorre devido à lentidão do funcionamento do organismo. Ele se caracteriza por uma sensação generalizada de falta de vitalidade e fraqueza que compromete a capacidade de realizar tarefas intelectuais e físicas do cotidiano. Além disso, a sonolência é constante e isolada (sem estar associada a outros sintomas específicos).

Distúrbios no sono

Os pacientes com hipotireoidismo apresentam apneia (interrupções breves na respiração) devido ao acúmulo do ácido hialurônico nos tecidos do corpo. Essa substância se une com a água do organismo e com as proteínas depositadas, provocando uma hipertrofia (crescimento) na língua, pescoço e paredes faringolaríngeas, o que causa a obstrução das vias aéreas superiores (apneia obstrutiva do sono).

Perda de cabelo

Outro sinal característico do hipotireoidismo é a queda acentuada de cabelos (quando ultrapassa os 100 fios diários). Isso ocorre devido à má absorção dos nutrientes necessários para fios saudáveis. Quando a pessoa faz o tratamento para reequilibrar a tireoide, essa queda é revertida.

Alteração no funcionamento do intestino

A relação entre o hipotireoidismo e a constipação intestinal (intestino preso) é objeto de vários estudos. Essa conexão existe porque o nervo vago, que é o mais longo do corpo humano e um dos 12 pares de nervos cranianos, origina-se na base do cérebro, alcançando o trato digestivo, e faz uma ligação com outros órgãos como o esôfago, coração e pulmões.

Quando alguém é acometido por hipotireoidismo, os alimentos são digeridos mais lentamente. Com isso, a possibilidade de constipação aumenta, já que há o acúmulo do bolo fecal dentro do intestino, o que leva a um desequilíbrio na microbiota intestinal ou até mesmo à proliferação excessiva de bactérias intestinais.

A constipação também pode ocorrer devido à redução do hormônio T3, que é necessário para a musculatura intestinal se contrair e empurrar o bolo fecal. Dessa forma, o desequilíbrio da tireoide impacta diretamente no funcionamento do intestino, órgão que sustenta cerca de 70% a 80% do sistema imunológico.

Diagnóstico do hipotireoidismo

O hipotireoidismo é diagnosticado com exame clínico, do qual faz parte a palpação do pescoço para identificar possíveis alterações na tireoide, a verificação dos batimentos cardíacos, a medida da pressão arterial, a observação das características da pele, e outros sinais. A confirmação do funcionamento lento da glândula, ou seja, nível sanguíneo de alguns hormônios, é feito por meio de um exame de sangue.

O teste mede as dosagens dos hormônios T3 (triiodotironina) e T4 (tetraiodotironina ou tiroxina) que, quando estão em baixos níveis é fazem suspeitar de hipotireoidismo; o T4 na sua forma livre – T4 Livre – é a forma mais indicada para o diagnóstico e acompanhamento. No entanto, as quedas hormonais não são percebidas no início da doença, sendo, portanto, necessária a medição do TSH (hormônio tireoestimulante), produzido em outra glândula — a hipófise — cuja elevação sinaliza mau funcionamento da tireoide. Indicadores de autoimunidade relacionada à tireoide são por vezes solicitados para melhor entendimento e acompanhamento: anticorpos anti-tireoglobulina e anticorpos anti-peroxidase tireoideana (anti-TPO), principalmente, ou mesmo outros a critério médico.

Outros exames que ajudam na investigação do hipotireoidismo são o ultrassom e a cintilografia, utilizados em situações bem definidas a critério do endocrinologista.

Importância do acompanhamento médico

Quando a produção hormonal da tireoide está baixa, é importante fazer a reposição do hormônio T4 sintético que, no organismo, se converte em T3. Nesse sentido, o acompanhamento médico é fundamental para o controle da do tratamento.

Em geral é necessário fazer o tratamento ao longo da vida, com exceção de casos raros que apresentam um desequilíbrio temporário dos hormônios devido ao efeito colateral de algum medicamento específico ou no pós-parto. Nessas situações, o funcionamento da tireoide pode voltar ao normal com a retirada do remédio que estava causando a alteração (ou com o passar do tempo, para as mulheres que tiveram problemas após o nascimento do bebê, o que por vezes se estende até por dois anos).

Conforme apresentamos ao longo do artigo, os principais sintomas do hipotireoidismo envolvem alterações orgânicas que podem ser confundidas com outras doenças. Por esse motivo, é fundamental o acompanhamento médico para a realização de exames laboratoriais e controle da doença. A endocrinologia é a especialidade médica relacionada ao diagnóstico e tratamento dos distúrbios das glândulas endócrinas, aí se incluindo os problemas que afetam a tireoide, como o hipotireoidismo.

Gostou do artigo? Então, assine a newsletter e receba os posts publicados no blog diretamente em seu e-mail!

Posts relacionados

4 thoughts on “Conheça os principais sintomas do hipotireoidismo

    1. Sim; ainda bem que com os recursos laboratoriais existentes é possível fazer o diagnóstico precoce, antes que surjam queixas relacionadas ao mau funcionamento da tireoide. Há não muito tempo atrás, só se detectava o hipotireoidismo quando as queixas eram exuberantes, e a pessoa acometida já se encontrava doente.

Deixe um comentário