Saiba o que é o zinco e como ele é essencial para a sua imunidade!

5 minutos para ler

O metal zinco é muito importante para o bom funcionamento do sistema nervoso, prevenção de problemas de saúde e combate aos agentes infecciosos, como vírus, fungos e bactérias. Nesse sentido, ele é fundamental para fortalecer o sistema imunológico, pois uma de suas importantes funções é participar nos processos de diferenciação celular, e assim sua falta impacta no número de células de defesa do organismo.

Ele pode ser obtido por meio de diversos tipos de alimentos. Neste artigo, vamos explicar sobre a importância do zinco para a manutenção da saúde, como ele age no sistema imunológico e em quais alimentos ele pode ser encontrado. Acompanhe!

A importância do zinco para a manutenção da saúde

O zinco é um nutriente com diversas funções no organismo, tendo grande participação na síntese e degradação dos carboidratos, proteínas e lipídios, no combate aos agentes oxidantes, na imunidade, no crescimento, na fertilidade masculina, e também para a produção de células do sangue.

Outro aspecto muito importante desse nutriente que “está na moda”, é a relação direta que ele tem com o ferro: a deficiência de qualquer desses metais pode levar à anemia, em geral por falta de ingestão de tais nutrientes.

Veja, a seguir, como o zinco beneficia o organismo:

  • proporciona boa aparência para a pele;
  • combate o cansaço físico e mental;
  • ajuda a evitar infecções (respiratórias e outras);
  • fortalece o cabelo;
  • melhora a memória;
  • reduz os radicais livres;
  • regula diversos hormônios;
  • retarda o processo de envelhecimento.

A ação do zinco na imunidade

O zinco desempenha um papel fundamental no sistema imunológico, já que as células desse sistema apresentam altos níveis de proliferação. Além disso, o mineral age diretamente na síntese do DNA e do RNA.

O desequilíbrio na quantidade das células de defesa (glóbulos brancos) interfere na regulação do sistema imunológico e afeta a sua capacidade de resposta para combater bactérias, vírus e outros microrganismos. Dessa forma, o corpo fica mais vulnerável a infecções bacterianas, e também virais (como resfriado e gripe). Além disso, o processo de cicatrização tende a demorar mais.

Os sintomas da deficiência ou excesso de zinco

Pelo fato de estar envolvido nas atividades de mais de 300 enzimas, a deficiência do zinco afeta o organismo como um todo, podendo ser identificada pelas seguintes alterações:

  • anorexia (falta de fome);
  • apatia;
  • anemia;
  • atraso na maturação sexual;
  • aumento dos níveis de glicose no sangue em pré-diabéticos;
  • dificuldade em perceber alguns sabores;
  • ferimentos que não cicatrizam;
  • fragilidade do sistema imunológico;
  • lesões na pele;
  • mau funcionamento do fígado;
  • fragilidade e queda de cabelos;
  • queda de imunidade;
  • retardo no crescimento.

Já o excesso desse nutriente no organismo pode se manifestar por meio de sinais, como náuseas, dores abdominais, vômitos, sonolência, letargia e deficiência de cobre, pois quando os níveis de zinco estão muito altos na corrente sanguínea, a quantidade de cobre fica reduzida. Mas o excesso do zinco felizmente não é comum, sendo em geral restrito a trabalhadores expostos a alguns tipos de fuligem industrial.

 As necessidades diárias e os alimentos ricos em zinco

Uma alimentação balanceada consegue fornecer as quantidades diárias de zinco para a proteção do corpo. Para adultos deve ser feita a ingestão de cerca de 11 mg pelos homens e 8 mg pelas mulheres. A necessidade de zinco é maior em certas fases da vida, como infância/puberdade, gestação e terceira idade. Em geral, o teor de zinco no sangue deve estar entre 70 e 120 mcg/dL. Na urina a eliminação fica entre 230 a 600 mcg de zinco por dia (adultos).

Veja, a seguir, alguns dos principais alimentos que são ricos nesse mineral; mas é bom ressaltar que há alimentos que impedem a boa absorção do zinco: pão integral, nozes, farelo, soja,

Ostras e outros mariscos

As ostras são uma das principais fontes do mineral, e oferecem 39 mg em cada porção de 100 gramas do alimento. Por serem muito ricas em zinco, é importante ingerir esses frutos do mar com moderação para evitar a sua interferência nos níveis de cobre.

Feijão

Além de ser uma excelente fonte de potássio e proteínas, ele também ajuda a melhorar a quantidade de zinco no organismo, havendo maior concentração nos grãos, e não no caldo. A cada 100 gramas, é possível obter 2,30 mg do nutriente.

Leite integral

O leite integral também conta com os benefícios do zinco, pois cada 240 gramas, há cerca de 1 mg do nutriente.

Outros

Shitake, camarão, carnes e gergelim são também fontes de zinco. E é bom considerar que o aproveitamento do zinco é maior em alimentos de origem animal, pois os fitatos (compostos derivados do ácido fítico) encontrados em muitos vegetais reduzem sua biodisponibilidade.

Como vimos, o mineral zinco é fundamental para diversas funções do organismo. No entanto, a deficiência e o excesso podem causar diversos problemas de saúde. Por isso, é fundamental ter um bom acompanhamento médico, fazer exames periódicos e manter uma dieta balanceada para garantir o bom funcionamento do organismo.

Gostou deste artigo? Deixe seu comentário e compartilhe suas impressões a respeito do assunto!

Posts relacionados

Um comentário em “Saiba o que é o zinco e como ele é essencial para a sua imunidade!

Deixe um comentário